Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

Casamentos Homossexuais

Que grande burburinho houve à conta dos casamento homossexuais. 90 mil assinaturas numa petição para um referendo completamente ignoradas. E claro a bisbilhotice da Igreja. Ainda não percebi (ou não quero perceber) porque é que a Igreja se tem que intrometer nos assuntos do Estado quando mais lhe convém. Parece-me que já evoluímos até ao ponto em que os dois poderes (e como odeio quando chamam poder à Igreja) estão completamente separados. Ou pelo menos deviam estar. A Câmara de Lisboa deu uma ajudinha e tentou introduzir os casamentos homossexuais nas festividades do Santo António. Aí até eu já acho demais. Se são cerimónias celebradas para 'homenagear' e honrar um Santo, não me parece viável que algum dia possam ser integrados. Pelo menos enquanto a instituição da Igreja continuar a não tratar todos os filhos de Deus como iguais, tal como Ele os vê. Pelo menos é o que vem na Bíblia, que nascemos todos iguais aos olhos de Deus. Mas isso já dava uma discussão completamente diferente.

 

Quanto ao casamento, eu sou a favor. Aliás, também a Constituição prevê que somos todos iguais perante o Estado e que ninguém deve ser discriminado segundo o sexo, raça, religião ou tendência sexual. Li na Visão da semana passada um artigo interessante sobre este assunto. Diogo Freitas do Amaral explicava em que consistia o termo casamento, legalmente falando. E o facto é que este termo foi criado no sistema legal como forma de proteger e garantir o sustento às crianças vindouras da união. Assim, o casamento constitui um comprmisso com o Estado em que o casal se compromete a tratar, educar e sustentar os rebentos que um dia virão.

Partindo deste pressuposto percebo as dúvidas em chamar casamento a uma união gay, já que no que toca à adopção de crianças ficamos na mesma. Não é permitida.

 

O que me parece dificil de ser generalizada em Portugal, é a ideia de que ser homossexual não é sinónimo de promiscuidade. A mim parece-me que há muitos casais que simplesmente não deviam poder sequer ter filhos biológicos (quanto mais adoptados) e que os têm simplesmente através do poder da criação da semente e da gestação. Parece-me que um casal homossexual pode ser tão capaz de educar uma criança, com o respeito, o carinho e a segurança que qualquer outro casal possa dispor. As crianças institucionalizadas precisam, sobretudo, de Amor e de um Lar. Os casais teriam apenas que passar pelo mesmo processo que passam todos os casais, de forma a garantir a real motivação e capacidade de educar uma criança.

O único problema que se coloca, mais uma vez, é a sociedade fechada, que parece ter talas na cara que não lhe permite olhar para os lados. Porque mesmo que tudo isto fosse possível, o problema maior que uma criança teria que ultrapassar, hoje em dia, seria o do preconceito. E esse não sei quando e se algum dia passará.

publicado por Raki às 16:48
link do post | comentar | favorito

.Mais sobre Mim

.Janeiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.pesquisar

 

.posts recentes

. Haiti

. Casamentos Homossexuais

. Tachos, Tachinhos, Tac(mi...

. 2010

. O melhor de 2009

. 6.0

. Ainda de guitarra na mão....

. I'm Yours

. So True!

. O Melhor e o Pior do Nata...

.arquivos

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

.links

.tags

. todas as tags

RSS